Category Archives: Mostra de Cinema Japonês

26 de Maio, 19h: “Sophie Scholl – Os Últimos Dias”

Realização: Marc Rothemund

Interpretação: Julia Jentsch, Fabian Hinrichs, Gerald-Alexander Held, Florian Stetter, Johannes Suhm, Johanna Gastdorf

ALEMANHA  2005, 121’  M/12

A corajosa história de Sophie Scholl já tinha sido contada em dois filmes de 1982. Mas a versão de Rothmund tem a particular vantagem de se basear em documentos ainda não disponíveis em 1980: os protocolos originais dos interrogatórios da Gestapo, na posse da RDA e acessíveis sómente depois da reunificação das Alemanhas.

O filme centra-se nos últimos seis dias de uma breve vida (17 a 22 Fev 1943): da temerária decisão dos dois irmãos, Hans e Sophie, e um amigo daquele, autor dos textos (todos pertencentes ao grupo anti-nazi Rosa Branca) de distribuir panfletos de resistência na Universidade de Munique; da sua detenção e posterior prisão; o longo, tortuoso e penoso interrogatório; o grotesco julgamento até à inevitável condenação por traição, e a morte de todos, na guilhotina.

Ainda que se possam sentir alguns laivos de sentimentalismo na construção do argumento, é indiscutível a força de notável suspense durante as cenas de inquirição, sendo o filme uma bem estruturada comemoração da coragem dos jovens numa Alemanha que se acreditava total e irremediavelmente subjugada pelo nazismo.

De notar a espantosa Julia Jentsch (revista em THE EDUKATORS – Weingarten, 2005), que recebeu o Urso de Prata de Melhor Actriz na 55ª Berlinale (2005), tendo Marc Rothmund sido contemplado com o Urso de Prata de Melhor Realizador na mesma competição.

“Sophie Scholl – Os últimos dias” foi candidato ao Óscar de Melhor Filme Estrangeiro em 2006, representando a Alemanha.

Anúncios

7 de Outubro, 19h: “Boiling Point” [3‐4 x jûgatsu]

Realização: Takeshi Kitano

Interpretação: Takeshi Kitano, Yûrei Yanagi, Yuriko Ishida, Gadarukanaru Taka, Dankan

Género : Acção, Thriller, Drama

Classificação : M/16

Japão, 1990, Cores, 96m

SINOPSE :

Quando um grupo de gangsters espanca o treinador de uma equipa de baseball devido a uma encrenca pateta, os jogadores principais da equipa (responsáveis por toda esta confusão) decidem ir a Okinawa arranjar uma arma e preparar um plano de vingança tanto ou mais rídiculo do que a própria ideia de ir a Okinawa para comprar uma arma! Ao chegarem lá, encontram um yakuza (Kitano!) disposto a dar uma mãozinha na sua vingança… filme onírico, pessoal e por vezes um tanto estranho, pontuado aqui e ali por alguns excessos que o deixam um bocado desequilibrado, Boiling Point é o primeiro filme em que Kitano teve liberdade criativa total e, como tal, tem vários experimentalismos que passarão ao lado de muita gente. Mas o fino sentido de humor de Kitano, conjugado com cenas de uma elevadíssima tensão dramática, tornam este filme fascinante.

Fonte: http://www.clubotaku.org

30 de Setembro, 19h: “Violent Cop” [Sono otoko, kyôbô ni tsuki]

Realização : Takeshi Kitano

Interpretação: Takeshi Kitano, Maiko Kawakami, Makoto Ashikawa, Shirô Sano, Sei Hiraizumi

Género : Acção, Thriller, Drama

Classificação : M/16

Japão, 1989, Cores, 103m

SINOPSE:

Beat Takeshi Kitano interpreta o papel do Detective Azuma, um polícia que utiliza métodos muito pessoais com reminiscências dirty harrianas.
Ao investigar uma série de crimes associados ao tráfego de droga, descobre que Iwaki, seu amigo e colega, anda a fornecer drogas a uma associação criminosa. Este polícia violento vai ter de enfrentar um cruel Yakuza, que sequestrou e drogou a irmã de Iwaki.
Com uma narrativa imparável, alguns momentos de humor e uma calma enganosa que de repente explode no ecrã, Violent Cop é um filme original e surpreendente.

Fonte: cinema.sapo.pt

23 de Setembro, 19h: “Boy” [Shônen]

Realização: Nagisa Ôshima

Interpretação: Fumio Watanabe, Akiko Koyama, Tetsuo Abe, Tsuyoshi Kinoshita

Género: Drama

Classificação: M/16

Japão, 1969, Preto & Branco, 105′

Sinopse:

Baseado na história chocante de um jovem casal japonês que lança o seu filho, de apenas 10 anos, ao bulício do trânsito a fim de extorquir dinheiro a condutores inconscientes, Boy apresenta a família japonesa como sendo uma armadilha inerentemente corrupta e dada à exploração intergeracional, ao mesmo tempo que retrata um exemplo intenso de dignidade e de luta pela sobrevivência. Uma das obras mais bonitas, moderadas e acessíveis de Ôshima, Boy destaca-se da sua filmografia mais radical e experimental. Tirando máximo proveito das possibilidades que o “grande ecrã” oferece, Boy faz alternar as itinerâncias da família em questão entre um conjunto de excepcionais paisagens urbanas e rurais.

Fonte: http://hcl.harvard.edu/hfa/films/2008novdec/oshima.html

16 de Setembro, 18h30m: “The Ceremony” [GISHIKI]

(Filme inserido na Mostra de cinema japonês)

Realização: Nagisa Ôshima

Interpretação: Kenzô Kawarasaki, Atsuko kaku, Nobuko Otowa, Kei Satô

Género: Comédia dramática

Classificação: M/16

Japão, 1971, Cores, 123′

Sinopse:

Considerado o filme japonês mais ambicioso realizado na década de 70, “The Ceremony” acompanha o destino e os infortúnios da família Sakadura desde 1946 até à década de realização do filme, através das diversas cerimónias que vão tendo lugar: funerais, casamentos e reuniões. Através do uso magistral do flashback, Ôshima revela o passado negro dos Sakadura — expondo os seus antecedentes comunistas e militaristas, os criminosos de guerra e os empresários arrivistas, os atletas ilustres e os patriarcas suicidas – e a sua contribuição para a ascensão económica, bem como para o escalar de um sentimento de embaraço social que grassou no Japão do pós-guerra.

Fonte: http://www.cinemathequeontario.ca/filmdetail.aspx?filmId=924