26 de Maio, 19h: “Sophie Scholl – Os Últimos Dias”

Realização: Marc Rothemund

Interpretação: Julia Jentsch, Fabian Hinrichs, Gerald-Alexander Held, Florian Stetter, Johannes Suhm, Johanna Gastdorf

ALEMANHA  2005, 121’  M/12

A corajosa história de Sophie Scholl já tinha sido contada em dois filmes de 1982. Mas a versão de Rothmund tem a particular vantagem de se basear em documentos ainda não disponíveis em 1980: os protocolos originais dos interrogatórios da Gestapo, na posse da RDA e acessíveis sómente depois da reunificação das Alemanhas.

O filme centra-se nos últimos seis dias de uma breve vida (17 a 22 Fev 1943): da temerária decisão dos dois irmãos, Hans e Sophie, e um amigo daquele, autor dos textos (todos pertencentes ao grupo anti-nazi Rosa Branca) de distribuir panfletos de resistência na Universidade de Munique; da sua detenção e posterior prisão; o longo, tortuoso e penoso interrogatório; o grotesco julgamento até à inevitável condenação por traição, e a morte de todos, na guilhotina.

Ainda que se possam sentir alguns laivos de sentimentalismo na construção do argumento, é indiscutível a força de notável suspense durante as cenas de inquirição, sendo o filme uma bem estruturada comemoração da coragem dos jovens numa Alemanha que se acreditava total e irremediavelmente subjugada pelo nazismo.

De notar a espantosa Julia Jentsch (revista em THE EDUKATORS – Weingarten, 2005), que recebeu o Urso de Prata de Melhor Actriz na 55ª Berlinale (2005), tendo Marc Rothmund sido contemplado com o Urso de Prata de Melhor Realizador na mesma competição.

“Sophie Scholl – Os últimos dias” foi candidato ao Óscar de Melhor Filme Estrangeiro em 2006, representando a Alemanha.

Os comentários estão fechados.