Category Archives: CurtasX.X

26 de Maio, 19h: “Sophie Scholl – Os Últimos Dias”

Realização: Marc Rothemund

Interpretação: Julia Jentsch, Fabian Hinrichs, Gerald-Alexander Held, Florian Stetter, Johannes Suhm, Johanna Gastdorf

ALEMANHA  2005, 121’  M/12

A corajosa história de Sophie Scholl já tinha sido contada em dois filmes de 1982. Mas a versão de Rothmund tem a particular vantagem de se basear em documentos ainda não disponíveis em 1980: os protocolos originais dos interrogatórios da Gestapo, na posse da RDA e acessíveis sómente depois da reunificação das Alemanhas.

O filme centra-se nos últimos seis dias de uma breve vida (17 a 22 Fev 1943): da temerária decisão dos dois irmãos, Hans e Sophie, e um amigo daquele, autor dos textos (todos pertencentes ao grupo anti-nazi Rosa Branca) de distribuir panfletos de resistência na Universidade de Munique; da sua detenção e posterior prisão; o longo, tortuoso e penoso interrogatório; o grotesco julgamento até à inevitável condenação por traição, e a morte de todos, na guilhotina.

Ainda que se possam sentir alguns laivos de sentimentalismo na construção do argumento, é indiscutível a força de notável suspense durante as cenas de inquirição, sendo o filme uma bem estruturada comemoração da coragem dos jovens numa Alemanha que se acreditava total e irremediavelmente subjugada pelo nazismo.

De notar a espantosa Julia Jentsch (revista em THE EDUKATORS – Weingarten, 2005), que recebeu o Urso de Prata de Melhor Actriz na 55ª Berlinale (2005), tendo Marc Rothmund sido contemplado com o Urso de Prata de Melhor Realizador na mesma competição.

“Sophie Scholl – Os últimos dias” foi candidato ao Óscar de Melhor Filme Estrangeiro em 2006, representando a Alemanha.

Anúncios

1 de Abril, 19h: “Sobre Água” (Curtas3.0)

23 de Julho, 19h: "Curtas2.0"

As Escolhas de João Pedro Rodrigues

– A Olhar para Cima (2003), de João Figueiras
– Respirar debaixo d’ Água (2000), de António Ferreira
– A Rapariga no Espelho (2003), de Pedro Fortes

18 de Junho, 19h: Curtas1.0

curtas1

Abraço do Vento” (2004) de José Miguel Ribeiro
A Suspeita” ( 1999) de José Miguel Ribeiro
Rapace” (2006)  de João Nicolau
A Felicidade” (2008)  de Jorge Silva Melo
China, China” (2007) de João Pedro Rodrigues e João Rui Guerra da Mata.

Abraço do Vento (José Miguel Ribeiro, 2004)

Num Mundo onde o ferro e a terra de fundem criando cidades inesperadas,

o vento sopra a vida por entre as folhas abraçando todo o devir, no ciclo eterno do renascer…

A Suspeita (José Miguel Ribeiro, 2000)

Um compartimento de comboio, quatro pessoas, um revisor, um canivete de Barcelos e um potencial assassino. Chegarão todos ao fim da viagem?

A Felicidade (Jorge Silva Melo, 2008)

Um pai e um filho. O pai terá setenta anos, o filho pouco mais de vinte. O filho leva o pai ao hospital. Na rádio, música clássica. O Exsultate, Jubilate de Mozart cantado por Teresa Stich Randall. Nem o pai sabia que o filho gostava de música clássica, nem o filho sabia que aquela seria a última conversa que teria com o pai.

Mas Mozart pede que as almas se alegrem, que os homens rejubilem.

Jorge Silva Melo

Rapace (João Nicolau, 2006)

Cumpridas as obrigações académicas, Hugo passa os dias em casa descansando a cabeça de intermináveis leituras de autores pouco conhecidos. Dorme muito e a desoras. A sua única companhia doméstica é Luisa, a empregada, que alinha com ele em cúmplices jogos do gato e do rato.

Para afugentar o sono da razão Hugo exercita a veia lírica escrevendo, com o amigo Manuel, canções sobre o bairro onde ambos habitam.

China, China (João Pedro Rodrigues, 2007)

China desce as escadas em direcção ao Martim Moniz, em Lisboa. “China, China!”, gritam as crianças quando ela passa. China vai voar. Fugir para longe ao amanhecer. Ela só quer ser feliz. Mas China bebe o seu próprio veneno. Bebe-o até ao fim. Por vezes o ar parece carregado de mal e o purgatório um jardim infantil.