25 de Julho, 19h: “Félicité”

 

Realização: Alain Gomis

Intérpretes: Véro Tshanda Beya MputuGaetan ClaudiaPapi MpakaNadine Ndebo

BEL/Líbano/ALE/FRA/Senegal, 2017, 123′ M/12

A viver na cidade de Kinshasa (República Democrática do Congo), Félicité esforça-se por criar Samo, o filho de 16 anos. Os dois sobrevivem do pouco dinheiro que ela consegue obter cantando em bares. Um dia, Samo sofre um acidente grave e é internado no hospital. Para que possa ser operado, exigem-lhe uma grande quantia de dinheiro. Sem recursos de que possa dispor de imediato, Félicité vasculha a cidade em busca de amigos, conhecidos e desconhecidos que a possam ajudar a salvar a vida do filho…
Em competição pelo Urso de Ouro no Festival de Cinema de Berlim, onde arrecadou o Grande Prémio do Júri, um drama social escrito e realizado pelo senegalês Alain Gomis (“Aujourd’hui”). O elenco é composto por uma equipa de actores estreantes: Véro Tshanda Beya Mputu, Gaetan Claudia, Nadine Ndebo e Papi Mpaka. PÚBLICO

A tristeza nos olhos de ‘Felicité’

Alain Gomis, o francês de origem senegalesa, continua a trilhar um cinema de procura de uma certa identidade cultural, ao mesmo tempo que explora o realismo social das ruas de Kinshasa, onde ao cair da noite tudo se torna um pouco mais suportável, sobretudo depois da entrega aos ritmos e aos vapores etílicos.

Nesta sua quarta longa-metragem, a segunda em competição na Berlinale, depois de Aujourd’hui, em 2012, serve-se do drama pessoal de uma cantora de bar nocturno, para mostrar esse mundo feito de contrastes, mas onde as pessoas não têm outra alternativa a não ser adaptar-se. Felicité (impressionante Véro Tshanda Beya Mputu no seu primeiro trabalho como atriz) é essa intérprete de olhos tristes, que aceita a sua condição sem juízos ou julgamentos. Mesmo quando sofre o duro revés de saber que o filho teve um grave acidente de moto.

Ao aperceber-se que terá de arranjar um milhão de francos locais (aproximadamente 1500€) para a operação do filho, envereda numa luta contra o tempo para o salvar. É aí que acaba por aceitar a ajuda do mulherengo e alcoólico Tabu (Papi Mpaka), não só para ajudar a concertar as avarias crónicas do seu frigorífico, mas também para fazer uma espécie de part time da sua vida.

Neste frenesim que nos faz lembrar Rosetta, dos irmãos Dardenne, Gomis descreve com dedicação os dilemas de uma grande fatia da sociedade senegalesa, com a particularidade de conseguir imprimir uma certa magia e a dimensão quase épica desse povo. O problema é a narrativa desta co-produção entre a França, Senegal, Bélgica, Alemanha e Líbano, que acaba por perder parte do seu fulgor, sobretudo depois do filho sair do hospital. É nessa altura que o filme tenta ainda desesperadamente agarrar-se a uma âncora para cumprir os seus 90 minutos de duração, acabando mesmo por repisar a conclusão anunciada no início, que a noite funciona como uma esponja de anestesia que tudo parece curar. Ou como a metáfora do frigorífico permanentemente avariado a oferecer uma explicação para um povo suspenso num limbo.

http://www.insider.pt/2017/02/11/berlim-a-tristeza-nos-olhos-de-felicite/

 

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s