14 de Fevereiro, 19h: “Ela”

elle-blog

Realização:Paul Verhoeven

IntérpretesIsabelle HuppertLaurent LafitteAnne Consigny

ALE/FRA/BEL, 2016,, 130′ M/14

Michele (Isabelle Huppert) é uma mulher forte e determinada que sempre soube o que fazer à sua vida. A sua forma de ser tanto se aplica aos afectos como às responsabilidades enquanto chefe-executiva de uma grande empresa. Um dia, é atacada e violada por um homem mascarado, na sua própria casa. Em vez de chamar a polícia ou entrar em desespero, Michele limpa os estragos, toma banho e arquitecta um plano de vingança. Entre ela e o criminoso dá-se então início a um perigoso jogo de perseguição que depressa fica fora de controlo.

Um conto moral com Isabelle Huppert

Foi um dos momentos altos do ultimo Festival de Cannes: “Ela“, de Paul Verhoeven, chega às salas portuguesas, com aquela que é, seguramente, uma das grandes interpretações do ano — ela é Isabelle Huppert.

 

Quais as actrizes mais universais do cinema contemporâneo? Podemos fazer uma lista (não muito longa…) que será, quase inevitavelmente, liderada pela americana Meryl Streep. Seja como for, nos lugares de honra encontraremos, por certo, o nome da francesa Isabelle Huppert. Aliás, para além da questão fulcral do talento, vale a pena sublinhar que Huppert está a ser seriamente encarada como alguém que estará na corrida a uma nomeação para o próximo Oscar de Melhor Actriz (foi nomeada e, entretanto, já ganhou o Glogo de Ouro).

O “culpado” de tudo isso é o magnífico filme do holandês Paul Verhoeven, “Elle” — e saudemos o facto de, entre nós, se ter evitado um título mais ou menos “simbólico”, chamando-lhe apenas, sobriamente, “Ela”.

Que se passa, então? Ela é violada. É a cena de abertura do filme, fria, contudente, sem especulação. E escusado será dizer que tudo se vai gerar a partir daí — quem é aquele homem que irrompeu pela casa de Michèle (Huppert), agredindo-a e humilhando-a?

O que faz de “Ela” um filme realmente diferente é o facto de Verhoeven transfigurar os dados da situação, evitando qualquer vitimização fácil da protagonista e, ao mesmo tempo, devolvendo ao espectador, em formato de conto moral, o novelo da questão — quando Michèle arquitecta a sua vingança, de que modo vacilam as matrizes tradicionais do masculino e do feminino?

Dir-se-ia que Verhoeven regressa ao dispositivo do seu filme mais famosos: “Instinto Fatal” (1992), com Sharon Stone. Mais do que apaziguar a nossa visão através de uma “reposição” da ordem, o seu filme transcende o enigma policial e pergunta que valores sustentam essa ordem.

Huppert é genial na representação de tudo isso e das ambivalências que isso tudo envolve. Por um lado, partilhamos o seu desejo de reparação face à violência de que foi vítima; por outro lado, quanto mais a acção avança mais Michèle nos surge como uma máscara que não sabemos decifrar.

Foi um dos grandes filmes de Cannes/2016, capaz de nos fazer compreender, de modo inesperado e perturbante, a estranheza do nosso tecido social — sempre, convém não esquecer, com um bizarro e contagiante toque de humor.

Crítica de João Lopes, in CineMax

 

 

 

 

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s