17 de Novembro, 19h: “O Rio Sagrado”

River_the-girl

Realização: Jean Renoir

IntérpretesNora SwinburneEsmond KnightArthur ShieldsThomas E. BreenPatricia WaltersRadhaAdrienne Corri

FRA, RU, IND, EUA, 1951, 99′

Fez em Janeiro 62 anos – 62! – que estreou em Portugal o filme “O Rio Sagrado” do realizador francês Jean Renoir.
Não sendo um filme indiano na génese, O Rio Sagrado é um filme muito indiano no conteúdo e na forma.
Tendo como fio condutor as memórias autobiográficas da narradora, O Rio Sagrado usa o pretexto de contar a história do amor platónico de uma adolescente por um soldado veterano para tecer um longo e apaixonado poema de amor pela Índia.
A história é simples e encantadora. Com a chegada à Índia de um antigo soldado americano que perdera uma perna na guerra, os jovens corações de Harriet, Melanie e Valerie sentem-se imediatamente atraídos por este homem misterioso e, aparentemente, inatingível.
Enquanto Valerie testa a sua maturidade com flirts e insinuações, Melanie sente a paixão contida de uma rapariga indiana tradicional, ainda que o pai, um viúvo inglês, lhe dê liberdade para seguir o seu próprio caminho
E à medida que Harriet – a narradora – vai tentando cativar a atenção do Cap. John  com histórias sobre a Índia e os seus deuses e costumes, é na verdade o espectador que é seduzido pelo encanto de uma existência simples que, como um rio, acompanha os ciclos naturais da vida recomeçando o seu curso uma e outra vez.
Um dos últimos momentos de O Rio Sagrado é a morte do pequeno Bogey, o irmão mais novo de Harriet que sonha ser encantador de serpentes. Juntamente com o seu amigo Kanu, Bogey passa os dias à procura de serpentes nas árvores a quem oferece leite em troca de uma “dança”.
Sobre a morte de Bogey, o pai de Melanie diz que pelo menos foi um indíviduo que se salvou. Um que conseguiu morrer ainda criança, sem ter passado pela corrupção e pela hipocrisia da idade adulta. Um que viveu a vida inteira (ainda que curta) a dar importância ao que é realmente importante e sem nunca ter pudor de tocar com as mãos na terra.

Outro dos meus momentos preferidos do filme – talvez por ser tão romântico, talvez por haver dança – é quando Harriet conta a história de dois noivos que só se conhecem no casamento, usando como intérpretes Melanie e o seu noivo prometido, Anil.
A noiva, desgostosa por ir casar com outro que não o seu amado, fica radiante quando vê que o noivo é, afinal, aquele de quem gostava.
E assim assume o papel de Radha que expressa o seu amor por Krishna através da dança.
Ao longo do filme pensei muitas vezes “Isto está a ser tão Satyajit Ray…” e de facto estava, pois como vim a descobrir foi a participação de Ray como assistente de realização em O Rio Sagrado que catapultou a sua própria carreira como realizador.
De resto, a minha amiga internet permitiu-me também descobrir que a maioria dos actores do filme não eram realmente actores e que o próprio produtor se lançou a este projecto apenas para demonstrar à sua mulher, que trabalhava na MGM, como é que se fazia um filme bom e que enchesse salas de cinema.
De tudo isto saiu, afinal, um filme perfeito.

 

 

 

 

 

 

 

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s