8 de Outubro, 19h: “Estações da Cruz”

Kreuzweg blog RealizaçãoDietrich Brüggemann

Argumento: Anna Brüggemann | Dietrich Brüggemann

IntérpretesLucie AronAnna BrüggemannMichael KampLea van Acken

ALE, 2014, 107 ‘ M/16

Maria (Lea van Acken), de 14 anos, pertence a uma família católica extremamente conservadora. Desde muito pequena que sonha ser santa e se dedica, de corpo e alma, ao Deus em que acredita. Ao mesmo tempo, na escola, é uma adolescente como outra qualquer. No processo de preparação para os sacramentos da confirmação religiosa, a rapariga fica fascinada com o percurso de Jesus Cristo pelas 14 Estações da Cruz em direcção ao Calvário, onde foi crucificado. É então que, para conquistar o seu lugar no céu, Maria decide fazer ela própria esse caminho.
Com assinatura do realizador alemão Dietrich Brüggemann, um drama sobre devoção, fé e fundamentalismo que retrata uma adolescente presa entre a sociedade moderna em que vive e a sua comunidade religiosa. No Festival de Cinema de Berlim, “Estações da Cruz” recebeu o Urso de Prata para Melhor Argumento e o Prémio do Júri Ecuménico. PÚBLICO

 

 

É sempre curioso sublinhar os contrastes e as rimas que os acasos da distribuição cinematográfica em Portugal trazem ao de cima.

Volta a acontecer agora com o tema do fundamentalismo religioso e da sua distorção o mundo que o rodeia – explorado pelo notável Timbuktu de Abderrahmane Sissako, estreado na semana passada, mas que o alemão Dietrich Brüggemann trabalha na sua vertente “europeia” e católica na sua quarta (e também ela excelente) longa. Em Estações da Cruz, Brüggemann acompanha o conflito de uma adolescente (magnífica Lea van Acken) apanhada entre a vontade de ser uma rapariga da sua idade e a rigidez estrutural da denominação católica purista em que é educada. À medida que a sua confirmação se aproxima e que Maria tenta negociar as armadilhas do mundo à sua volta, a opressão da sua dinâmica familiar (mãe tirânica, pai ineficaz) e os dogmas da sua fé, que elevam a pecado tudo aquilo que para um adolescente é apenas manifestação de busca pessoal, lançam-na para uma espiral de pesadelo.

Brüggemann amplifica a claustrofobia opressiva e as penas de Maria estruturando Estações da Cruz em 14 “cenas” ou “quadros” que correspondem às 14 estações da Via Sacra, e filmando cada quadro em plano-sequência contínuo com a câmara estática (só em três dos 14 planos a câmara se move, e mesmo aí o mínimo indispensável). Mais do que prolongar esteticamente os dogmas espirituais que oprimem Maria, é a abordagem formal do realizador alemão que “liberta” paradoxalmente o filme e lhe empresta toda a densidade, dando-lhe a dimensão brutalmente incómoda de estarmos a assistir “em tempo real” ao definhar de uma miúda inteligente com um futuro à sua frente. Estações da Cruz partilha território com um outro excelente filme alemão sobre os efeitos da devoção religiosa (Requiem de Hans-Christian Schmid, que nunca chegou às salas portuguesas), mas é bicho pessoal e intransmissível, e merece muito mais atenção do que aquela que a sua estreia meio confidencial lhe dará.

Jorge Mourinha, in Ipsilon

 

 

 

 

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s