30 de Setembro, 19h: “Mel”

Miele-2013-2-523Realização: Valeria Golino

Intérpretes: Jasmine Trinca, Carlo Cecchi, Libero De Rienzo

FRA/ITA, 100ʼ, 2013

Irene vive sózinha numa casa à beira-mar, não muito longe de Roma. Sob o nome de código Miele ela ajuda secretamente doentes terminais a morrerem com dignidade, dando-lhes um barbitúrico poderoso. Um dia, ela dá uma dessas doses mortais a um novo “cliente”, o Sr. Grimaldi. No entanto, ela descobre que ele está de perfeita saúde física, mas quer acabar com a vida, depois de ter perdido interesse em viver. Determinado a não ser responsável pelo seu suicídio, ela vai fazer de tudo para o impedir.

 

O cinema perante a morte

Num mundo em que a palavra “sofrimento” passou a ser utilizada para consagrar as equipas de futebol que vencem jogos difíceis, é normal que não se discuta a morte como factor inerente à própria vida – a obscenidade mediática não conhece limites e ignora qualquer forma de pudor. Daí a promoção de ruidosos debates televisivos sobre a eutanásia, dividindo os incautos intérpretes pelo espaço do “sim” e pelo espaço do “não”, todos devidamente encenados numa cenografia simplista… Como se tudo aquilo que envolve as mais delicadas emoções humanas – e também as ideias que as atravessam – pudesse ser reduzido a um plebiscito purificador, universal e maniqueísta.

A eutanásia, precisamente, é o tema de Mel, primeira longa-metragem realizada pela actriz italiana Valeria Golino. Aliás, ao tentarmos lidar com o filme, o problema imediato que enfrentamos é esse que nos leva a identificar um “tema”. Ao fazê-lo, corremos o risco de nos enredarmos nos lugares-comuns de um contexto “informativo” em que viver e morrer são apenas duas palavras susceptíveis da mais grosseira instrumentalização – observe-se, em paralelo, a infinita tristeza argumentativa dos comentadores de futebol que, em nome de uma lei que não sabem enunciar, falam da “justiça” dos resultados.

Digamos, para simplificar, que Mel se centra no dia-a-dia de uma jovem, interpretada pela admirável Jasmine Trinca (que descobrimos, em 2001, sob a direção de Nanni Moretti, em O Quarto do Filho), que integra um grupo clandestino que ajuda doentes terminais a pôr termo à vida – chama-se Irene, sendo “Mel” o seu nome de código. As ambivalências inerentes à sua atividade duplicam-se quando, ao envolver-se com o caso de Carlo Grimaldi (o veterano Carlo Cecchi, numa composição de discreta intensidade), descobre que, na verdade, está a lidar com alguém que, embora com uma saúde ferro, manifesta pulsões suicidas…

Quanto mais o filme nos enreda no novelo de sensações e escolhas com que Irene está confrontada, mais se instala uma certeza que Valeria Golino trabalha com a delicadeza de um genuíno e perturbante conto moral. A saber: o silêncio irredutível da morte ecoa, ponto por ponto, nos gestos mais suaves da vida. Mais do que isso: o cinema afirma-se como um dispositivo capaz de sentir e pressentir a indizível violência da morte, não a repelindo das suas narrativas – ou, se preferirem, das suas imagens.

“Mel” vem inscrever-se, assim, numa gloriosa genealogia cinematográfica a que pertencem títulos como “Peeping Tom” (Michael Powell, 1960), “Lágrimas e Suspiros” (Ingmar Bergman, 1972) ou “Cosmopolis” (David Cronenberg, 2012). Podemos lamentar que o filme se apresente tão desprotegido no mercado e as televisões não o tratem com a evidência que merece. Mas talvez seja melhor assim: na sua relação com os filmes, cada espectador tem também direito à sua solidão e aos problemas que a habitam.

JOÃO LOPES (in Diário de Notícias)

 

 

 

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s