26 de Abril, 19h: “Gata em Telhado de Zinco Quente”

Realização: Richard Brooks

Interpretação: Elizabeth Taylor, Paul Newman, Burl Ives

USA, 1958, 108’, M/12

Gata em Telhado de Zinco Quente” é um filme de 1958, realizado por Richard Brooks, e é a 5ª obra de Tennessee Williams levada até ao grande ecrã.

Esta é a história de Maggie the Cat, mulher de força que se sente no casamento como uma gata em telhado de zinco quente mas que acredita que ao permanecer em cima dele será vencedora e o prémio dessa persistência felina será ter o marido de volta. Esta é também a história de Brick, o marido, porque afinal de contas eles ocupam a mesma jaula e interagem como dois animais confinados a um espaço demasiado pequeno. Brick refugia-se na bebida para ter o click que lhe devolverá a paz que a sobriedade não consegue.

Esta é a história de Big Daddy, patriarca de uma rica família sulista dos E.U.A., que se vê a braços com uma mulher que não ama, um filho que não gosta e um filho que bebe. Mas o grande drama é que vai morrer e nada do que imaginou para a sua vida se concretizou. Pior do que isso, o seu filho favorito não gosta dele e é um alcoólico incapaz de continuar o negócio da família. Estas são as três principais personagens deste filme. Enquanto elas se desenrolam na película, convencemo-nos a cada instante que todos eles são gatos que permanecem em telhados de zinco quente com medo de saltarem porque não sabem que abismo se prostra debaixo deles.

Tennessee Williams escreveu a peça, Richard Brooks e James Poe adaptaram-na ao cinema mas não se limitaram a mudar de linguagem teatral para linguagem cinematográfica, não. Os dois argumentistas criaram uma nova peça com cenas distintas e um fim diferente do que tinha sido, previamente, escrito pelo autor. Com esta adaptação, “Gata em Telhado de Zinco Quente” chega ao seu terceiro final. A razão é simples, Williams não só se tinha proposto escrever sobre a desagregação de uma família como também ousou escrever sobre um casamento em que o marido era homossexual e isso não podia de forma alguma passar para o grande ecrã. Decorria a década de 50 e Hollywood não estava ainda preparado para tocar, nem que fosse ao de leve, nesse tema.

Posto isto, temos um filme que trata o casamento em ruínas de um marido alcoólico e a sua felina mulher. Maggie tenta por todos os meios reconquistar Brick e salvá-lo desse torpor em que se encontra para que possa provar ao pai que será capaz de honrar a sua memória e continuar os seus negócios. Assistimos às suas tentativas e às suas lutas contra uma família que não a aprova, à excepção do patriarca que nutre um real carinho por esta mulher em sofrimento.

Todo o filme tem uma intensidade expectante, como se tudo estivesse em suspenso à espera da tempestade que se aproxima da vida destas pessoas e que irá destruir o que existe para construir algo melhor.

Elizabeth Taylor protagoniza aqui umas das suas mais memoráveis personagens emprestando a sua beleza a Maggie e transmitindo com os seus olhos violeta tudo o que Hollywood não permitiu transformar em palavras. Paul Newman por seu turno assume este Brick dilacerado entre as memórias de um amigo morto e os contraditórios sentimentos para com a sua bela mulher.

Burl Ives, o actor que já tinha interpretado Big Daddy em palco, dá novamente vida ao feroz patriarca da família Pollit, tendo uma das cenas mais intensas de todo o filme ao decidir deixar cair todas as máscaras e falar com Brick numa cave cheia de memórias e objectos. Aqui os dois homens falam dos seus medos, inseguranças, amores, fraquezas e forças. De Big Daddy ficará para sempre a frase dirigida ao seu filho “Eu tenho coragem para morrer, o que eu quero saber é: tens tu coragem para viver?”

Apesar de totalmente alterada esta peça transformada em filme não perde a força das palavras de Tennessee Williams, não fosse Richard Brooks o defensor da frase: Primeiro vem a palavra, depois vem tudo o resto.

Margarida Mateus

 

 

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s