26 de Janeiro, 19h: “Sangue do Meu Sangue”

Realização: João Canijo

Interpretação: Rita Blanco, Anabela Moreira, Cleia Almeida, Rafael Morais

PORTUGAL, 2011, 140’, M/16

Márcia (Rita Blanco) é mãe de Cláudia (Cleia Almeida) e Joca (Rafael Morais) e irmã de Ivete (Anabela Moreira). Mãe solteira, vive numa casa no Bairro Padre Cruz, em Lisboa, com Ivete que a ajudou a criar os filhos e os ama como se fossem seus. O que ninguém esperava é que duas tragédias chegassem para marcar aquela família: Cláudia apaixona-se por um dos seus professores da faculdade, casado, e Joca, um pequeno traficante cadastrado, contrai uma dívida com um homem perigoso. Márcia e Ivete preparam-se para o pior, mas o seu amor incondicional é capaz de tudo..

Realizado por João Canijo, de quem já apresentámos “Fantasia Lusitana”, o filme foi distinguido em Setembro, no Festival de San Sebastian, com Menção Honrosa e o Prémio de Melhor Filme da Crítica Internacional. Em Dezembro, ganhou o Prémio de Melhor Filme no Festival de Pau

Foi o filme português com maior receita bruta em 2011.

Fonte: Cinecartaz Público

Para o dizer simplesmente, é o melhor filme de João Canijo. Resultado de uma maneira de construir personagens e narrativas que é aqui levada a um grau máximo, mas resultado também de outro factor que nunca se vira assim num filme de Canijo, e que esse, sim, é uma relativa novidade: o trabalho de câmara. Em vez dos ziguezagues de uma câmara que quase se limitava a ser testemunha da encenação (em “Noite Escura”, em “Mal Nascida”), ei-la aqui, rigorosa e pesada, a ser o elemento central na organização das cenas, a desenhar, abrindo-os ou fechando-os, o espaço e o tempo em que se movimentam as personagens. O trabalho dos actores é extraordinário, de facto, mas numa curta nota como esta em vez de repetir esse elogio preferimos falar ainda de outro elemento discretamente essencial. O som, o som “do bairro”, mas sobretudo o som dos televisores, ligados em todo o lado e durante todo o tempo, dando à televisão portuguesa, e visto que Canijo gosta muito dos gregos, o papel de um “coro”, mas um coro inútil e patético, que nada tem a dizer sobre a tragédia portuguesa que não sejam novelas e futebol (e reparar na ironia com que Canijo usa o “clube de Portugal”: a primeira cena tem o som do primeiro jogo da selecção no Mundial 2010, e durante a humilhação final de Ivete acontece o golo da Espanha que acabou com o que eram, em linguagem televisiva, as “esperanças portuguesas”). (Luis Miguel Oliveira, in Ipsilon)

O filme será apresentado com legendas em inglês, pois teremos a assistir um grupo de estudantes do programa Erasmus que vão estar em Tomar durante as próximas semanas.

Os comentários estão fechados.