4 de Março, 18.30h: “A Ronda da Noite”

NIGHTWATCHING (La Ronde de Nuit/A Ronda da Noite)
Realizador: Peter Greenaway (também argumentista)
Actores: Martin Freeman, Eva Birthistle, Jodhi May, Natalie Press, Emily Holmes, Toby Jones.
País: Inglaterra/Holanda/Polónia/Canadá
Ano/Duração: 2007. 136’
Género: Drama.
Com “A Ronda da Noite”, Peter Greenaway regressa, depois de um estranho parêntesis chamado “Thetúlse Luper Suitcases”. E é um regresso a um universo mais acessível, a um cinema mais ou menos narrativo, tomando por herói Rembrandt, através de uma leitura pessoal do quadro de 1642, e pintando dois retratos: o da sociedade holandesa na sua idade de ouro, e o do pintor.
Convém notar que, rompendo com as convenções da sua época, a tela, uma obra-prima, prefigura, pelo seu espírito e técnica, a arte cinematográfica.
Apaixonado por enigmas, Greenaway transforma em fio condutor do seu enredo a ideia propalada de que, no seguimento de uma redução de encomendas, o quadro terá contribuído para o declínio do pintor.
À volta do intrincado mundo das esferas privadas e públicas, uma reconstituição põe a claro a problemática do quadro, encontrando as ligações da criação à dor, da certeza à dúvida, da confusão à claridade. Para além de uma historicidade ficcionada, Greenaway, fiel a si mesmo, evoca, por detrás do brilho de uma burguesia triunfante, a decadência do homem.
A angústia de criação e o amor da mulher animam “A Ronda da Noite” do cineasta, na qual Martin Freeman é peça suporte da dramaturgia, direccionando-nos para pretéritos sofrimentos, pressentidos perante a tristeza do protagonista em “No Ventre do Arquitecto” e a mágoa do velho sabedor de “Os Livros de Próspero”.

Autor: João Mourão

Os comentários estão fechados.